13 de Maio

Há um ano atrás vivíamos um dia que era história. Passava-se tanta coisa importante que foi um desperdício de acontecimentos bombásticos num só dia, não podíamos desdobrar-nos em várias pessoas para os festejar devidamente ou sequer acompanhar em direto como mereciam.

Esse 13 de maio era muito esperado e com elevados mecanismos de segurança inovadores e proteção fora de série, pois era o dia da visita do Papa Francisco a Portugal. No entanto, nesse dia, o momento histórico ainda teve de partilhar protagonismo com o incrível tetracampeonato do Benfica, conquistado nessa tarde, e com a enorme vitória de Salvador Sobral na Eurovisão, nessa noite!

Ainda parece ilusão mas é verdade: há um ano atrás estava incrédula em frente à televisão, cheia de nervos e emoções, a tentar ignorar os festejos da conquista histórica e heróica do Benfica e acompanhar a nossa prestação de loucos na Eurovisão em direto, ao segundo. Quando decorria o inacreditável festival de “12 Points: Portugal”, numa série que parecia mais um sonho que realidade, já só queria que aquela espera de nervos acabasse. Só na parte dos pontos do júri (os pontos dados por cada país) já estávamos num 1º lugar tão destacado que bateu todas as pontuações da HISTÓRIA da Eurovisão! Nunca se havia passado algo semelhante, nunca se vira tamanha unanimidade.

No fim, quando veio o resultado do público para somar ao júri, o desfecho foi o mesmo que deve ter sido em vossas casas e que já conhecem de certeza: gritar, pular, festejar em euforia em frente à TV. Foi um daqueles dias que nós nunca esqueceremos “o que estava a fazer/vestir/onde estava/com quem estava no momento em que Salvador Sobral ganhou a Eurovisão”. E o que é a vida sem estes momentos?…

(a capa possível de um dos jornais nacionais, no dia seguinte)

Enquanto milhares e milhares de lindas luzes a perder de vista se iluminavam em Fátima (e bastava espreitar aquele cenário mágico, de imagens deslumbrantes, para deitar uma lagriminha – e a procissão das velas de véspera??…) e enquanto o centro de Lisboa e do Porto (e noutros tantos pontos) se “incendiavam” de vermelho com os festejos do tetracampeonato, em Kiev estava a acontecer o que nunca tinha acontecido nem a Portugal nem à própria Eurovisão! A música portuguesa correu o mundo e dissipou fronteiras, uniu as nações num banho de amor à música e é tudo o que se pretende com um festival desta dimensão.

O segundo momento mais emocionante da noite para mim foi quando, no Marquês de Pombal, se anunciou àquele banho de multidão, já por si feliz e em êxtase, que Portugal tinha acabado de vencer a Eurovisão e passaram ali a (muitoooo) alto bom som a música arrepiante de Salvador Sobral e aquelas dezenas de milhares (!!) de pessoas largaram a cantar aquela letra com toda a força, emoção e orgulho. Oh-my-god. Um momento único, que vi e vivi em direto, que sem dúvida não se repete e não esqueço. Vive-se ao máximo no momento, saboreia-se e agradece-se, sempre sabendo que momentos desses só uma vez na vida. E é ainda melhor quando sabemos o valor do que estamos a presenciar, na exata noite em que acontece.

E fez-se história. Faz hoje um ano

Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

1 Comment

  • Patrícia says:

    Devo dizer que vivi intensamente um deles: o do meu Benfica! Mas não podia deixar de concordar que foi difícil no entanto entusiasmante ter tanto motivo para comemorar e principalmente nos orgulhar! Portugal é um pais, como costumo dizer, de caixinha de surpresas e somente nós é que o soubemos. Este ano infelizmente não o foi assim. Mas se o fosse..saberíamos nós dar tanto valor como demos?! :)

    Obrigada por fazeres relembrar todos esses bons momentos, inesquecíveis!

    Beijinho