The Oscar Night – Countdown Reviewing The Big Three

É já hoje a grande noite dos Óscares! Há uns meses que vejo análises dos filmes, adoro esta altura como desculpa para conhecer mais e estar mais perto do assunto, estar por dentro do entusiasmo à volta do cinema, conhecer novas histórias, dramas, enredos de qualidade. Este ano parece que houve uma tendência para destacar os filmes que nos deixem mais melancólicos, com um fatídico drama, mais pesados, embora sejam bonitos.

Passou muito rápido até este dia, o que significa que estes dois meses passaram também a voar! Estes Óscares calham em pleno carnaval e eu sempre quis fazer uma verdadeira Oscar Night em casa com amigos, com direito a boletins de apostas dos vencedores, pipocas, dress code, decor à altura, tudo o que uma noite de festa temática pede. Como amanhã nem todos trabalham, esta era a minha grande oportunidade de fazer o evento, no entanto continuo meio doente e os amigos também estão todos fora a aproveitar as mini-férias… Fica a ideia para quem puder fazer :)

Anyway, aqui estou então em countdown para esta noite, ansiosa pela red carpet e pelos resultados. Não deu para ver todos os nomeados, em parte por falta de interesse em alguns, mas sobretudo por falta de tempo oportunidade. Tenho estado mais dedicada às leituras do que ao cinema (algo que espero equilibrar em breve) mas ainda consegui ver os filmes mais falados para esta noite, os três mais apontados para melhor filme.

Caso ainda não tenham visto qualquer dos filmes deste ano, aqui deixo a minha opinião pessoal, porque ainda vão a tempo de fazer uma tarde de cinema até à cerimónia :)
Não se esqueçam de ir passando pelo facebook do Trendy Lisbon esta noite para espreitar a red carpet!

 

Manchester by the Sea

Estive quase dois meses a adiar ver este filme porque não me apetecia mesmo. Só ouvia dizer que era triste, que era parado, que era pesado, e fui desmotivando… Depois de um mês inteiro a assistir a Casey Affleck ganhar tantos prémios de melhor ator com esse filme, a vontade foi crescendo e ainda bem, porque, de facto, o filme superou totalmente as minhas expectativas – que na verdade eram muito baixas.

Afinal não era sobre uma família disfuncional, mas sobre uma família feliz. Afinal não é sobre o protagonista ter de adotar e lidar um sobrinho adolescente que acaba de ficar orfão, o drama é mesmo sobre o protagonista. E o que nós sofremos com ele… A interpretação do Affleck mais novo é realmente merecedora de todas as distinções e o filme é mesmo dos bons. É triste, é verdade, mas um drama que vale a pena ver.

 

Moonlight

Este filme foi o caso oposto do anterior: tinha ouvido falar maravilhas, sabia que é um dos maiores candidatos aos Óscares, com uma série de nomeações, e as minhas expectativas aqui eram mesmo altas. Interessava-me: imaginava ser sobre alguns problemas da sociedade, pobreza, discriminação, supostamente um forte candidato ao prémio de melhor filme como um grito geral contra o presidente Trump.

Em diversas críticas ao filme, tinham garantido que a homossexualidade do protagonista era só mais um drama abordado na história e que o filme não girava à volta disso, mas acabei por achar que sim, que se resumia a esse dilema, e daí a minha desilusão. A produção é forte em imagem, em música, em atores, tudo bonito, cuidado e até poético, a contrastar com as realidades do filme. No entanto, achei a história muito fraca, pequena e sem profundidade – a não ser a que quisermos imaginar.

Com Moonlight desiludi-me e por isso até hoje não recomendei a qualquer pessoa, até pelo contrário. E vocês, têm opinião? Vamos ver quais os resultados do filme esta noite :)

 

La La Land

Este é o filme que, assim que vi, aconselhei a toda a gente que corresse a ver também (e com sucesso!) mas ao mesmo tempo foi o que decidi que não conseguiria descrever por palavras, então não valia a pena publicar no blogue. Bom, passadas semanas e com as emoções bem mais controladas, aqui estou eu a tentar, em jeito de resumo, até para não levantar o véu (para os pouquíssimos que ainda não conheçam a história!).

Eu diria que La La Land é o filme que todos ansiamos por encontrar: tão normal ao mesmo tempo que tão marcante; tão ligeiro e ao mesmo tempo tão completo; muito simples mas perfeitamente complexo. Na minha cabeça, o filme oscila assim, num perfeito paradoxo em que fica difícil de explicar a intensidade do filme, que poderíamos descrever como completamente “simples e fofinho” ou como “arrebatador e cruel”.

Passando por cima desta dificuldade toda de expressão, o que achei mesmo é que este é um filme tremendamente completo e entusiasmante, a banda sonora é (obviamente) um must desta produção, mas também ela muito simples e sem grandes surpresas – apesar da enorme qualidade e da maravilhosa capacidade de despertar todo o tipo de emoções. Muito bons atores, excelentes sequências, roupas e imagens lindas e, mais uma vez, que ao mesmo tempo são bem simples. O filme tem simplesmente tudo para hoje ganhar… tudo.

Acho que este é o segredo de La La Land: levar-nos de volta a uma simplicidade cinematográfica que nos deixa muitas saudades – e que não sabíamos. Que nos obriga a parar durante duas horas para estar de volta aos sonhos, às emoções, lembrarmo-nos de que o mundo é belo e de que a vida é tão mais que a correria de todos os dias. Há uma base para isto tudo! Temos de sentar-nos, parar e lembrar disso!

São quase duas horas sentadinhos a sonhar muito, a sentir um monte de emoções misturadas e a dançar ao som de música de enorme qualidade (John Legend incluído) – eu sou suspeita porque adoro música e adoro jazz (ah, e adoro John Legend).

Ao mesmo tempo, este filme é sobre escolhas e é por ser tão realista e mostrar de forma tão simples, fofinha e crua a realidade das nossas vidas – que sonhar é lindo e a vida pode ser simples, mas nunca assim tão simples, terás sempre de escolher: quando desistir ou persistir; que sonhos queres perseguir – que nesse embate com a realidade, pura e simplesmente dura, nos deixa a pensar. Dias a pensar nisso e a ouvir as músicas e a querer ver o filme outra vez. Resumidamente, corram a ver o La La Land se ainda não o fizeram.

Esta é a minha maior aposta para esta noite!
E desse lado, o que já viram? Em quais apostam todas as fichas?
Voltaremos ao tema Óscares com os vencedores… E com os vestidos :)

Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

1 Comment